Menu

A Luta - Henderson x Shogun I

13 de Maio de 2018

Dan Henderson é um homem humilde. Então não surpreende que quando perguntado sobre fazer parte de uma das maiores lutas da história do MMA com Mauricio Shogun, um duelo que será induzido ao Hall da Fama do UFC neste mês de julho, ele responda de forma compreensiva.

“Eu sabia que foi uma luta muito boa”, disse Hendo, “Foi definitivamente muito mais dura do que eu pedi e do que achei que seria”.

Muito boa??? Não dê ouvidos ao ex-campeão do Strikeforce e de duas divisões do PRIDE. Sua primeira luta com Shogun no UFC 139 em 19 de novembro de 2011 foi uma batalha época de cinco rounds que estará no Top 5 de todos os tempos de qualquer fã.

Foi tão boa ação, repleta de ação violenta, técnica de alto nível, drama e coragem de ambos. Quando acabou, Henderson saiu com a vitória por decisão unânime com três placares de 48-47. Mas como em todas as grandes lutas, não importou quem venceu e quem perdeu. O que importou foi a luta.

“Essa luta foi muito boa para o público, eles realmente gostaram”, disse Shogun, “Posso apenas compará-la com uma outra luta, quando enfrentei Minotouro no PRIDE. Estou muito feliz que todos continuam falando dessa luta. Em todo lugar que eu vou, falam sobre ela e fico feliz por ser parte da história do UFC”.

Entrando no combate, as ex-estrelas do PRIDE estavam em lugares interessantes em suas carreiras. Henderson estava retornando ao UFC após uma sequência de quatro lutas no Strikeforce em que ele conquistou o cinturão meio-pesado e em seguida nocauteou o ex-campeão dos pesados do PRIDE Fedor Emelianenko. Shogun estava apenas 4-3 no UFC, e apesar de ter conquistado o título até 93kg, muitos se perguntavam se seus melhores dias já haviam passado.

Hendo era um desses que se perguntavam. Então o primeiro round acabou, e após ser atingido pela “Bomba H” de Hendo, estar sangrando e quase ter sido derrotado, Shogun ainda estava de pé.

“Ele definitivamente aguentou muito melhor do que eu esperava que fizesse”, disse Hendo, “Ele mostrou muito coração e não deu sinais de que desistiria. Definitivamente fiquei surpreso que ele estava lá de pé como estava. Acertei ele muitas vezes bem forte e fiquei surpreso com sua durabilidade e seu coração”.

“Foi realmente difícil lidar com os grandes golpes de Henderson”, acrescentou Shogun, “Mas estou muito feliz que fui capaz de aguentar e continuar melhorando a cada round”.

Henderson manteve a pressão em Shogun durante os dois rounds seguintes, enquanto o gás do brasileiro ia acabando. Mesmo assim, Shogun não recuou, e nos rounds quatro e cinco, ele ressurgiu das cinzas e quase conseguiu uma virada milagrosa quando Hendo começou a lidar com os demônios do cansaço.

“Estive sempre tentando vencer a luta”, disse Shogun, “Nos rounds quatro e cinco, passei a maior parte do tempo em cima do Henderson. Ele conseguiu lidar com meus socos no fim, dei meu máximo, todo meu coração e estou feliz que tivemos uma grande luta”.

Quando o último gongo soou, os fãs se levantaram e seguiram gritando até os dois atletas voltarem aos vestiários, agradecidos pelo esforço empregado por ambos.

“Foi uma luta dura, Dan Henderson é um cara muito bom”, disse Shogun, “Dei meu melhor. Infelizmente não venci, mas sei que dei meu melhor. Essa luta foi provavelmente uma das melhores da minha carreira, mas não levei a vitória no fim”.

“No que me diz respeito, eu já o respeitava, mas o respeito muito mais ao saber que ele pode passar por uma guerra como essa e continuar indo em frente”, acrescentou Henderson, “Ele sempre representou bem o esporte e acho que sempre teremos esse laço”.

Isso não significa que Henderson, que venceu Shogun por nocaute na revanche em 2014 e se aposentou após a revanche com Michael Bisping em outubro de 2016, fique assistindo a luta sem parar em sua casa.

“Não a vejo há muito tempo”, ele ri, “Tenho certeza que verei novamente antes de julho. Lembro muito bem dela, então não preciso assistir novamente, mas ouço falar dela nas minhas redes sociais toda vez que passa na TV”.

Foi ótimo assisti-la ao vivo. E após revê-la várias vezes, não fica cansativo. É por isso que está no Hall da Fama do UFC.

“Sempre quero dar meu melhor, disse Shogun, que retorna ao octógono para enfrentar Volkan Oezdemir em 22 de julho, “Vencendo ou não, sempre quero dar meu melhor. Dei meu melhor nessa luta e estou muito feliz que consegui colocar meu nome na história e no Hall da Fama do UFC. Além disso, os fãs gostaram da luta e isso me faz feliz, já que eles sempre me apoiam”.

“É muito especial saber que serei lembrado pelo que fiz no esporte e por todo o trabalho duro que fiz”, disse Henderson, “Na época em que estava fazendo tudo isso e todas essas lutas, nunca na minha cabeça estive pensando, ‘É assim que quero ser lembrado’. Eu só ia lá e lutava por mim e tentava conquistar tudo o que sabia que era capaz. Então é ótimo saber que você fez um bom trabalho e representou a si mesmo e ao esporte bem o suficiente para que as pessoas lembrem de você por isso”.