Menu

SEGUNDA TEMPORADA DE "VIVER PARA LUTAR" ESTREIA DIA 6 DE AGOSTO

01 de Agosto de 2018

Em mais uma temporada da série documental Viver para Lutar, uma coprodução do UFC, Combate e Mixer Films, com direção geral de Rodrigo Astiz e direção de Nikolas Fonseca, Rodrigo Minotauro segue viajando o mundo para revelar as artes marciais que ajudaram a moldar o MMA atual. Desta vez, o ex-campeão e atual embaixador do UFC visita China, Israel, Holanda, Japão, Brasil e Cuba.  A série estreia no dia 6 de agosto, às 20h, na faixa “Sessão Combate” e estará disponível para os assinantes no Combate Play.

Em seis novos episódios, exibidos semanalmente às segundas-feiras, Minotauro apresenta modalidades que são populares em cada país e vive experiências a partir do contato com mestres e praticantes que, como ele, vivem para lutar ao redor do mundo. Entre outras, ele passa pelo boxe em Cuba, o kickboxing na Holanda e o krav maga de Israel. Na estreia, vai ainda mais longe: viaja até a China em busca das origens do kung-fu e vive experiências como a rotina de silêncio dos monges do lendário templo Shaolin. 

Já no Brasil, quando retorna ao seu estado natal, Bahia, Minotauro procura desvendar os mistérios da capoeira. E é justamente voltando à suas origens que encontra um dos maiores desafios da série: como definir uma expressão cultural brasileira que não se permite enquadrar nem somente como arte marcial nem como esporte? 

Sinopses dos episódios:

EP 01 - KUNG FU / CHINA

_______________________________________________________________________

Rodrigo Minotauro vai à China em busca das origens do Kung Fu. Na chegada, visita atletas da Universidade de Esporte Beijing e treina com campeões de Sanda, o moderno boxe chinês. Depois embarca em uma viagem ao passado rumo a Song Shan, uma das montanhas sagradas da China. É lá que fica o lendário Templo Shaolin, morada dos monges que fazem Kung Fu como parte da prática zen budista.

Ao mesmo tempo em que aprende sobre a filosofia do Kung Fu Shaolin, Minotauro participa do treino de armas, confere a precisão dos estilos dos animais e a resistência à dor nos exercícios de Qi Gong. Alguns dias de imersão no dia a dia do templo, que dão uma ideia do preparo físico e mental necessários para fazer justiça à fama de “monges guerreiros”.

 

EP 02 – KRAV MAGA / ISRAEL

_______________________________________________________________________

Krav Maga, sistema de defesa pessoal conhecido pela agressividade e eficiência, é o tema deste episódio da série. Em Israel, Rodrigo Minotauro percorre as cidades de Jerusalém, Atlit, Hadera, Tel Aviv e Netanya para entender o contexto em que o Krav Maga foi criado e as técnicas que fazem parte desse sistema.

Minotauro visita a base militar do Instituto Wingate, onde soldados aprendem a usar o Krav Maga contra o terrorismo. Também encontra dois mestres que se dedicam a preparar civis para situações reais de risco. Faz uma imersão no dia a dia de treinos pesados e descobre que o exame de faixa do Krav Maga não é para qualquer um.

 

EP 03 – KICKBOXING / HOLANDA

_______________________________________________________________________

É na clássica e refinada Holanda que um esporte de combate mais se destacou no mundo: o Kickboxing. Sabendo disso, Rodrigo Minotauro vai até Amsterdã e reencontra velhos conhecidos, como o multicampeão Ernesto Hoost - tido por muitos como o melhor de todos os tempos – e seu amigo Anderson Braddock Silva, um brasileiro entre os lutadores holandeses.

No episódio que mais se aproxima do universo vivido ao longo de sua carreira, Minotauro também realiza um antigo sonho de treinar com o lendário Thom Harinck, um dos fundadores do Kickboxing holandês e conhece o grande fenômeno deste esporte na atualidade, o campeão Rico Verhoeven, que coloca seu cinturão em jogo em uma revanche emocionante.

 

EP 04 – AIKIDO / JAPÃO

_______________________________________________________________________

De volta ao Japão, Rodrigo Minotauro vai conhecer os segredos do Aikido. Uma arte marcial jovem, de poucas décadas de história, mas que adota técnicas e costumes herdados dos samurais. Talvez esse seja um dos grandes atrativos do Aikido, que rapidamente se popularizou não só no Japão, mas também na Europa, Estados Unidos e Brasil.

A convite de um dos grandes defensores dessa arte, o shihan Tsuneo Ando, Minotauro acompanha o campeonato juvenil de Urayasu com mais de 400 praticantes e assiste a demonstrações de mestres de diferentes estilos. Ele também faz o treino dos faixas pretas, onde testa a eficiência das técnicas do Aikido. Por fim, viaja a Quioto para entender melhor a relação ocidente/oriente com o mestre francês Jacques Payet e visitar a arena mais antiga de artes marciais do Japão.

 

EP 05 – CAPOEIRA / BRASIL

_______________________________________________________________________

Depois de atravessar o mundo nessa busca, Minotauro retorna ao seu estado natal, a Bahia, para desvendar a Capoeira. Atrás das formas mais variadas de se praticar a Capoeira, Rodrigo Minotauro percorre todos os cantos de Salvador, conhecendo projetos sociais e as raízes religiosas desde os tempos dos escravos. Ele vivencia o passado, presente e as perspectivas de futuro da Capoeira através de personagens únicos, como o grande artesão vivo dos berimbaus, uma mestra pioneira e os capoeiristas que adaptaram a arte para o MMA.

 

EP 06 – BOXE / CUBA

_______________________________________________________________________

O Boxe Cubano é tido por muitos como o maior fenômeno do esporte olímpico. Boxeador nato, Rodrigo Minotauro vai até a isolada ilha para entender melhor como este estilo de combate, que é motivo de orgulho nacional, pode ser o maior vencedor dos últimos 50 anos nas Olimpíadas.

Rodrigo visita academias e conhece a Escola Nacional de Boxe, onde treinam as seleções cubanas, com boxeadores de todas as idades.

Na Havana atual, Minotauro também entende melhor como a abertura pela qual a ilha passa pode trazer efeitos também para o Boxe de Cuba: hoje alguns estrangeiros já podem treinar por lá e a rígida doutrina praticada pelos boxeadores locais começa a se diluir. Ao mesmo tempo, começa a abrir-se o espaço para as mulheres boxeadoras, até então proibidas de praticarem o esporte profissionalmente.