Menu

Top 10: As melhores lutas de janeiro no octógono

02 de Janeiro de 2018

O ano de 2017 acabou de terminar, mas ao invés de olhar para trás, é hora de pensar no que vem pela frente no octógono em 2018, começando com um mês de bastante ação em janeiro.

Os três cards deste mês estão repletos de lutas atraentes e confrontos interessantes, mas aqui está uma seleção dos duelos que realmente se destacam.

UFC St. Louis - Domingo, 14 de janeiro

Darren Elkins x Michael Johnson

Invicto desde que se tornou membro da Team Alpha Male e se mudou para a Califórnia, Elkins começou sua campanha em 2017 com a virada mais impressionante do ano ao superar Mirsad Bektic em março antes de vencer a quinta seguida contra Dennis Bermudez em julho.

Johnson desce para os penas após uma boa campanha nos leves que terminou em uma das melhores lutas de 2017 - uma pancadaria contra Justin Gaethje. A “Ameaça” tem mãos rápidas, bom trabalho de pés e um grande poder para a nova divisão, e se conseguir frear o momento de Elkins, vai começar o ano se estabelecendo como um sério candidato.

Kamaru Usman x Emil Meek

Usman é um dos melhores talentos em ascensão na divisão meio-médio, um wrestler sufocante que está 6-0 no octógono e vem de vitória por nocaute sobre o brasileiro Sergio Moraes em sua luta mais recente. O atleta de 29 anos tem 10 vitórias na carreira e tem subido rapidamente na categoria desde que foi revelado no TUF 21.

Lesões impediram Meek de pisar no octógono no último ano, mas o talentoso norueguês quer compensar o tempo perdido encerrando a boa sequência de Usman e roubando sua posição nos ranking. Ele venceu Jordan Mein por decisão unânime em sua estreia na organização no UFC 206, e caso chegue à quinta vitória seguida contra um talento Top 10, Meek será um dos nomes a se observar na divisão a partir de 2018.

Jeremy Stephens x Dooho Choi

Choi foi visto pela segunda vez na Luta do Ano de 2016 contra Cub Swanson no UFC 206. Apesar de sua sequência de 12 vitórias seguidas ter chegado ao fim naquela noite, o talentoso sul-coreano se valorizou muito após o combate. Já o veterano Stephens se recuperou de derrotas consecutivas com uma de suas performances mais impressionantes e polidas em anos ao pacientemente superar Gilbert Melendez no UFC 215.

A divisão dos penas tem passado por mudanças sérias nos últimos meses e nunca esteve tão competitiva. Com os rankings em fluxo constante e todos em busca de uma disputa de título, espere que esses dois venham com tudo para começar o ano bem.

UFC 220 - Sábado, 20 de janeiro (Boston, Massachusetts)

Calvin Kattar x Shane Burgos

Kattar apareceu para o UFC 214 com duas semanas de antecedência, vindo de oito vitórias seguidas para um duelo contra Andre Fili. Quinze minutos depois, sua sequência havia aumentado para nove e seu status mudou de um estreante desconhecido a um nome interessante em uma divisão repleta de talentos.

Após estrear com vitória por decisão sobre Tiago Trator em 2016, Burgos foi além no último ano, vencendo suas duas lutas e aumentando seu cartel para 10-0. “Hurricane Shane” passou por Charles Rosa em abril e em seguida por Godofredo Pepey em julho. Este é um ótimo confronto entre duas revelações da categoria que não deve ficar nas sombras das grandes lutas do card.

Thomas Almeida x Rob Font

Apesar de ambos virem de derrotas, Thominhas e Font já se consolidaram no Top 15 na divisão peso-galo e são atletas agressivos e divertidos de assistir no octógono. Somados, eles têm 9-4 no octógono, com oito destas vitórias por nocaute ou finalização, e duas das quatro derrotas terminando também antes do final do duelo.

Almeida é um nocauteador que conquistou bônus em suas cinco primeiras vitórias, enquanto Font somou ao seu afiado boxe, um jogo de finalizações em rápido desenvolvimento. Ambos gostam de trocação franca, então não fique surpreso se essa luta começar rápido e terminar com alguém vendo estrelas.

Daniel Cormier x Volkan Oezdemir - pelo cinturão meio-pesado do UFC

Após defender seu título finalizando Anthony Johnson em abril, Cormier fez uma revanche com seu rival Jon Jones em julho, e até começou bem antes de ser derrubado com um chute na cabeça no terceiro round. Menos de um mês depois, Jones foi flagrado por uma potencial violação da USADA e o título voltou para “DC”, que começa o ano da mesma forma que começou o último ano - buscando solidificar seu reinado na divisão.

Tudo o que Oezdemir fez em 2017 foi ir de um substituto de última hora em fevereiro ao desafiante número um no final de julho, conquistando três vitórias em seis meses, sendo duas por nocaute sobre Misha Cirkunov e Jimi Manuwa em 70 segundos somados. “No Time” não perdeu tempo para se estabelecer como uma ameaça, mas agora é hora de ver se ele será capaz de superar Cormier.

Stipe Miocic x Francis Ngannou - pelo cinturão peso-pesado do UFC

Miocic fez sua segunda defesa de cinturão e quarta vitória seguida no primeiro round ao vencer Junior dos Santos no UFC 211 em maio. O norte-americano tem cinco triunfos consecutivos e pode se consolidar como um dos melhores pesos-pesados da história do UFC caso se torne o primeiro homem a defender o título três vezes, parando o emergente desafiante.

Ngannou começou 2017 nocauteando Andrei Arlovski e se colocando na conversa pelo título, mas após se mudar para Las Vegas e se tornar residente no novo UFC Performance Institute, o camaronês garantiu a disputa de cinturão ao demolir Alistair Overeem no UFC 218. Este é um duelo de titãs e deve ser fenomenal enquanto durar. Quem sabe, talvez este também seja o surgimento da próxima grande rivalidade dos pesos-pesados.

UFC Charlotte - Sábado, 27 de janeiro

Katlyn Chookagian x Mara Romero Borella

Invicta à época em que chegou ao UFC, Chookagian sofreu a primeira derrota na carreira por decisão dividida contra Liz Carmouche no UFC 205, mas se recuperou vencendo Irene Aldana da mesma forma em abril. De volta à sua divisão de peso original, não se surpreenda se você vir a melhor versão da norte-americana de 29 anos nesta luta.

Borella estreou no octógono em outubro, entrando de última hora em um confronto de estreantes contra Kalindra Faria e vencendo por finalização no primeiro round. A italiana de 31 anos agora está invicta em suas últimas sete lutas e vem de quatro vitórias seguidas, e caso vença sua segunda em quatro meses, Borella se colocará em uma ótima posição para lutas importantes conforme a mais nova divisão do UFC se desenrola ao longo dos próximos meses.

Ovince Saint Preux x Ilir Latifi

Latifi competiu apenas uma vez em 2017, mas fez valer, voltando à coluna das vitórias ao frear o talentoso australiano Tyson Pedro no UFC 215. O sueco venceu quatro de suas últimas cinco, e seis das oito lutas em quase cinco anos de UFC, se consolidando no meio da categoria e mostrando o tipo de poder que faz dele um adversário duro para qualquer um.

Após ser a primeira das três vítimas de Volkan Oezdemir em 2017, OSP somou três vitórias e começa o ano embalado. Ele venceu duas finalizando com um Von Flue choke - suas segunda e terceira vitórias com o raro golpe no octógono - Marcos Pezão e Yushin Okami, e encerrou sua campanha derrubando Corey Anderson com um chute na cabeça no UFC 217.

Ronaldo Souza x Derek Brunson

Após começar 2018 buscando a disputa de título e passar por Tim Boetsch em fevereiro, Jacaré acabou derrotado por Robert Whittaker em abril, logo antes de o nocauteador australiano conquistar o cinturão interino. De volta pela primeira vez após aquela luta, Jacaré buscará fazer o que fez após três de suas quatro derrotas na carreira - conquistar uma vitória impressionante para voltar à direção certa.

Já para Brunson, ele se recuperou de uma derrota por questionável decisão na mesma noite em que Jacaré finalizou Boetsch, e conquistou vitórias consecutivas por nocaute no primeiro round sobre Daniel Kelly e Lyoto Machida. O norte-americano perdeu apenas duas vezes nos últimos quatro anos e conquistou sua últimas seis vitórias no primeiro round.

Assine o Combate | Siga o canal do UFC no YouTube