Menu

TOP 10: Os melhores nocautes e finalizações em disputas de cinturão feminino

28 de Dezembro de 2017

A última luta de 2017 dentro do octógono será um duelo muito esperado pelo cinturão peso-pena feminino, entre a campeã Cris Cyborg e a desafiante Holly Holm, ex-campeã dos galos e que buscará fazer história ao tentar se tornar a primeira lutadora do UFC a conquistar dois títulos em categorias diferentes.

Cyborg conquistou seu título em julho de 2017, com um nocaute técnico no terceiro round sobre Tonya Evinger, que mostrou uma lutadora mais paciente, mas que traz junto uma força inigualável e uma ferocidade que a fizeram uma das lutadoras mais temidas do planeta. Foi aa coroação oficial de uma rainha e outra performance impressionante de sua carreira. Agora, ela buscará outra vitória devastadora neste final de semana - e ela pode entrar para essa lista que traremos a seguir.

LEIA MAIS: Top 10 Melhores Estreantes de 2017Relembre os melhores eventos que fecharam anos anteriores do UFC

10 - UFC Berlim: Joanna Jedrzejczyk derrota Jessica Penne por nocaute técnico (socos) aos 4m22s do 3º round



Três meses depois de vencer o título dos palhas (menos do que isso, na verdade), Jedrzejczyk enfrentou a medalhista de bronze do TUF 20 Jessica Penne em sua primeira defesa de cinturão e rapidamente provou que seu lugar no topo da divisão estava seguro.

Jedrzejczyk dominou Penne desde o início, conseguindo golpes limpos que deixaram a desafiante com inchaços e sangue, sendo que a campeã não diminuiu o ritmo por um segundo. Por quase três rounds, ela bateu em Penne do modo que queria, fazendo com que a luta pelo cinturão se transformasse em uma sessão ao vivo de sparring, em algo completamente unilateral.

Enquanto Jedrzejczyk ainda teria depois de Berlim uma série de performances impressionantes, sua primeira defesa de cinturão foi sem dúvidas a mais feroz.

9 - UFC 190: Ronda Rousey derrota Bethe Correia por nocaute (soco) aos 34s do 1º round



Depois de perseguir Correia até a grade, Rousey trocou socos de maneira franca com a desafiante brasileira, fazendo com que seus joelhos dobrassem com um golpe de direita. Uma joelhada na barriga logo em seguida fez com que Correia se dobrasse e buscasse cobertura, e quando ela fez isso, Rousey apagou as luzes com um direto de direita bem na têmpora.

Até esse momento, essa performance dava a impressão de que algo realmente especial estva começando na carreira de Ronda Rousey - um nocaute no primeiro round em pleno Rio de Janeiro contra uma rival que a provocou o tempo todo era a ferramenta que a mídia precisava para se apaixonar ainda mais a lutadora.

No entanto, essa foi a última defesa de cinturão da lutadora e sua última vitória no UFC até hoje, mas isso não diminui o quão impressionante foi seu desempenho naquela noite.

8 - UFC 207: Amanda Nunes derrota Ronda Rousey por nocaute técnico (socos) aos 46s do 1º round



Nunes estava esbanjando confiança e abastecida com frustração, brava por ser apenas uma coadjuvante na luta marcada entre ela e a norte-americana apesar de ser a campeã dos galos e vir de uma vitória dominante cinco meses antes. Rousey, no entanto, não lutava fazia 13 meses, adicionando ainda a intriga que permanecia sobre a luta principal do UFC 217.

Quando o primeiro golpe limpo entroum, estava claro que a luta não duraria muito e que não terminaria nada bem para Ronda Rousey.

A "Leoa" conectou diversos golpes que dizeram com que Ronda recuasse. Assim que ela tentou revidar o fogo, Nunes continou marchando em frente e acertou golpes fortíssimos, fazendo com que o retorno de Ronda Rousey fosse sua festinha particular.

7 - UFC 185: Joanna Jedrzejczyk derrota Carla Esparza por nocaute técnico (socos) aos 4m17s do 2º round



Nos dias que antecederam a luta, Jedrzejczyk disse a todos para não se preocuparem para aprender a pronúncia correta de seu sobrenome, pois depois do UFC 185, todos poderiam chamá-la de "Joanna Campeã".

Então ela fez isso acontecer.

Você poderia perceber o momento em que Esparza viu que estava com problemas; parecia o replay em câmera lenta do coração partido de Ralph Wiggum no episódio do Dia dos Namorados de Os Simpsons. Ela não conseguiu derrubar Joanna - não teve chegou nem perto disso - e como tudo o que tentou foi negado, ela percebeu que aquela não era sua noite.

E foi aí que a polonesa trouxe o inferno ao octógono.

Enquanto sua performance seguinte contra Penne foi mais feroz, essa fez com que começasse um reinado de 32 meses na divisão dos palhas.

6 - UFC 184: Ronda Rousey derrota Cat Zingano por finalização (chave de braço) aos 14s do 1º round



A luta começou e Zingano correu através do octógono, errando uma violenta joelhada voadora. Assim que as lutadoras foram para o chão as coisas não pareciam tão difíceis para Zingano, mas desde quando entrar uma situação de luta agarrada contra Ronda Rousey é uma boa ideia?

Em uma fração de segundos, a campeã conseguiu pegar o braço de Zingano, forçando a desafiante a bater em desistência.

Apesar de ter entrado no livro dos recordes como uma chave de braço assim como outras tantas vitórias suas, essa finalização não ocorreu da mesma maneira como foi em duas oportunidades contra Miesha Tate ou contra Liz Carmouche, na primeira luta valendo um cinturão feminino no UFC. Contra Zingano, Rousey improvisou durante o golpe no ar e encontrou uma modificação que fez com que a finalização funcionasse - tudo ao mesmo tempo.

5 - UFC 200: Amanda Nunes derrota Miesha Tate por finalização (mata-leão) aos 3m16s do 1º round



Para mim, essa foi a melhor performance feminina valendo um cinturão e não se vê ninguém falando dela, o que é uma grande surpresa para mim, já que foi um desempenho de tirar o fôlego no meio de um tornado - o começo do reinado de Amanda Nunes, que dura até os dias de hoje.

A luta foi promovida ao posto de principal do evento faltando poucas horas para ele começar, e enquanto Tate era a grande estrela subindo no octógono, foi Amanda quem roubou o show.

A desafiante brasileira balançou a campeã com golpes limpos e fortes logo no início e se recusou a dar a ela uma chance de se recuperar. Ela perseguiu Tate, conseguindo golpes ainda mais fortes cada vez que a oportunidade aparecia e uma vez que a ação foi para o chão, Amanda rapidamente mergulhou e conseguiu um estrangulamento, fazendo com que Tate batesse em desistência e conquistando assim o título peso-galo.

4 - UFC 175: Ronda Rousey derrota Alexis Davis por nocaute (socos) aos 16s do 1º round



Davis acertou o primeiro bom golpe nesta luta - um jab limpo que fez com que a cabeça de Rousey fosse para trás assim que as lutadoras partiram para a trocação no centro do octógono.

Infelizmente para a desafiante canadense, a campeã conectou um overhand de direita poucos segundos depois, seguido de uma bela queda e uma sequência incrível de socos sem resposta, que fizeram com que Davis, completamente desnorteada, tentasse derrubar o juiz Yves Lavigne após ele parar o duelo.

Essa foi a performance mais dominante na carreira de Ronda e permanece - na minha opinião - como a demonstração perfeira do que a ela é capaz de fazer no octógono quando está no seu melhor nível. O soco que começou tudo não foi nada muito especial, mas ela rapidamente reconheceu a oportunidade em sua frente e entrou no modo finalizador, conseguindo uma queda poderosa antes da vitória.

Ronda nunca esteve melhor do que nessa luta, se você me perguntar.

3 - UFC 196: Miesha Tate derrota Holly Holm por finalização (mata-leão) aos 3m30s do 5º round



Eu estava no meio de um parágrafo falando sobre mais uma tentativa frustrada de Tate em conseguir o cinturão do UFC quandp ela derrubou Holm com uma queda no centro do octógono faltando dois minutos no round final. Trinta segundos depois, eu estava escrevendo sobre a virada improvável de Tate e como era emocionate e poderoso ver ela chorar de maneira incontrolável quando a luta terminou.

Enquanto a maioria das pessoas provavelmente irá relembrar Tate pela sua rivalidade com Ronda, essa performance foi emblemática em sua carreira profissional e deve fazer parte de seu cartão de visitas. Ela sempre pressionou, sempre buscou seu título e seu sucesso se deve ao seu coração junto de seu atleticismo e habilidade dentro do octógono.

O que é maluco nisso tudo é que, apesar de ter sido uma das finalizações mais surpreendentes de 2016, ela não foi a performance da noite mais surpreendente, já que Nate Diaz finalizou Conor McGregor na luta principal logo após a vitória de Miesha.

2 - UFC 217: Rose Namajunas derrota Joanna Jedrzejczyk por nocaute técnico (socos) aos 3:03 do 1º round



A primeira vez que Namajunas lutou pelo cinturão peso-palha, ela não estava pronta. Ela era muito nova, muito crua, sem grande técnica e Carla Esparza aproveitou isso para tirar vantagem, utilizando o wrestling para jogar Namajunas no chão várias e várias vezes até finalizá-la com 90 segundos no terceiro round.

Mas Namajunas era uma lutadora diferente quando ela pisou no octógono para lutar pelo cinturão pela segunda vez. Os ensinamentos de Trevor Wittman a levaram a ser um prospecto de elite e deran a oportunidade dela mostrar ao mundo que ela poderia colocar todo seu potencial no octógono.

Assim como você imaginou se o primeiro knockdown era um sinal das coisas que viriam caso Joanna não acordasse, Namajunas foi para cima e acertou outro golpe fortíssimo. E outro. E outro. E outro. E outro...até a campeã sair derrotada.

1 - UFC 193: Holly Holm derrota Ronda Rousey com um nocaute (chute na cabeça e socos) aos 50s do 2º round



O momento final dessa lista, com certeza, está gravado na memória coletiva do MMA - o pé esquerdo de Holm acertando o lado do pescoço de Ronda Rousey, mandando a até então campeã invicta direto para o chão - mas assim como o resultado do retorno de Ronda contra Nunes 13 meses depois já estava previsto, o resultado dessa luta foi determinado antes mesmo do nocaute acontecer.

A agressividade de Ronda barrou na força e nos contragolpes da ex-campeã de boxe, que levou grande vantagem sobre a campeã durante o duelo. No final do primeiro round, Rousey, sangrando pela boca, parecia não acreditar no que via, enquanto Holm se mantinha sobre total controle.

A esquerda que balançou Rionda no primeiro round retornou rápido no segundo e quando você consegue escapar de uma investida da campeã da maneira que Holm escapou de Ronda, você percebe que uma nova campeã será coroada.

Vinte segundos depois, tudo estava acabado. Holly Holm havia chocado o mundo.

Assine o Combate | Siga o canal do UFC no YouTube