Menu

Top 10: Os resultados mais surpreendentes de 2017

04 de Janeiro de 2018

A menos que você seja o derrotado, todos amam um resultado surpreendente. Como diz o ditado, “É por isso que as lutas são lutadas”, e com luvas de quatro onças e tantas maneiras de vencer e perder, é inevitável que em alguma noite o azarão vai sair vitorioso. Aqui estão os 10 resultados mais surpreendentes de 2017.

UFC Belém: Cadastre-se e saiba tudo sobre o evento

1 - Rose Namajunas-Joanna Jedrzejczyk

Sem surpresas aqui, apenas no resultado. Ninguém achava que Rose Namajunas era uma adversária indigna para disputar o cinturão peso-palha no UFC 217 em Nova York, mas Joanna Jedrzejczyk estava começando a entrar na discussão sobre a maior de todos os tempos, então enquanto a maioria acreditava que Namajunas daria trabalho a Jedrzejczyk, no final seria mais uma defesa de título para a polonesa. Namajunas tinha outros planos, e com uma impressionante vitória por nocaute técnico no primeiro round, ela chacoalhou a divisão peso-palha e o mundo do MMA. Como diria Daniel Cormier, “Thug Rose, Thug Rose, Thug Rose!!!”.

Veja também: Namajunas eleita melhor lutadora de 2017 | As melhores lutas em janeiro de 2018

2 - Josh Emmett-Ricardo Lamas

Josh Emmett disse antes de sua luta, na qual entrou de última hora, em dezembro contra o peso-pena Top 5 Ricardo Lamas, que tudo o que ele precisava era um soco para finalizar a luta. Ele estava certo, e foi de um relativo desconhecido para um legítimo candidato ao cinturão no tempo em que demorou para ele conectar o gancho de esquerda que acabou com a noite de Lamas e colocou o nome de Emmett na lista de atletas para ficar de olho em 2018.

3 - Daniel Kelly-Rashad Evans

É muito possível que em nove lutas no UFC, Daniel Kelly tenha sido o azarão na maioria. Então não era surpresa de que o atleta australiano de quatro edições das Olimpíadas se viu novamente nesse papel quando o ex-campeão meio-pesado Rashad Evans fez sua estreia na divisão dos médios contra ele em março. O que foi surpreendente, no entanto, é que Kelly manteve Evans instável a noite inteira, levando a uma vitória por decisão dividida que o manteve firme e forte no octógono.

4 - Eryk Anders-Rafael Natal

Ex-estrela do futebol americano universitário, Eryk Anders começou bem sua carreira no MMA, mas apesar de sua boa fase, aceitar uma luta de última hora contra um veterano como Rafael Natal não era visto como o caminho correto para uma estreia de sucesso no UFC. Então a luta começou e, em menos de três minutos, o cartel de 8-0 de Anders se transformou em 9-0 quando ele nocauteou Rafael. Mais uma vitória se seguiu, e agora ele vai enfrentar Lyoto Machida no mês que vem. Parece que o garoto era de verdade, afinal.

5 - Darren Elkins-Mirsad Bektic

Por dois rounds, o invicto Mirsad Bektic estava fazendo exatamente o que os fãs esperavam dele ao abrir uma boa vantagem sobre o duro veterano Darren Elkins. Então veio o round três e, na maior virada de 2017, o ensanguentado Elkins se recuperou e nocauteou Bektic, enlouquecendo a internet. Existem certas coisas no esporte que não podem ser ensinadas, e Elkins tem esse diferencial.

6 - Gabriel Benitez-Jason Knight

Com um cartel de 3-2 no UFC, Gabriel Benitez era visto por muitos como o adversário perfeito para o retorno de Knight em dezembro após a sequência de quatro vitórias de Knight ter sido encerrada por Ricardo Lamas cinco meses antes. Mas Benitez não foi informado dos planos de Knight, e com uma performance disciplinada e habilidosa, dominou Knight por três rounds e venceu por decisão.

7 - Brian Kelleher-Iuri Alcantara

O veterano brasileiro Iuri Alcantara não é o cara contra quem você quer fazer sua estreia no UFC, especialmente entrando de última hora, e especialmente no Brasil. Mas o norte-americano pensou em tudo isso e ainda disse sim, e, em junho, conquistou bônus de Performance da Noite ao calar o Rio de Janeiro com uma vitória por finalização em menos de dois minutos. É assim que se faz uma estreia.

8 - Felice Herrig-Alexa Grasso

Com 2-1 no UFC e muita experiência na bagagem, Felice Herrig não deveria ser vista como uma “porteira” indo para sua luta contra a então invicta promessa mexicana Alexa Grasso. Mas ela era, e em resposta, calou os críticos e Grasso, vencendo por decisão unânime naquela que foi a segunda na sua atual sequência de quatro vitórias seguidas.

9 - Carla Esparza-Cynthia Calvillo

Apesar de ser a primeira campeã peso-palha do UFC, Carla Esparza tem sido taxada como azarona desde sua derrota para Joanna Jedrzejczyk em 2015. Talvez isso mude após sua vitória no UFC 219 sobre a então invicta Cynthia Calvillo, em uma luta na qual mostrou sua experiência e raça contra uma estrela em ascensão, que mirava usar Esparza como trampolim rumo à uma disputa de cinturão. A “Cookie Monster” disse não.

10 - Georges St-Pierre-Michael Bisping

Por que não? Sim, Georges St-Pierre é um dos maiores lutadores de todos os tempos - talvez o maior - mas quando o ex-campeão meio-médio retornou de um hiato de 1449 dias para subir de categoria e desafiar Michael Bisping pelo cinturão dos médios, havia muitas questões sobre o que ele seria capaz de fazer. E mesmo apesar de ter o segundo maior hiato entre duas lutas no UFC (Tank Abbott tem esse recorde com 1596 dias), GSP chocou o mundo do MMA com uma vitória por finalização que ficará para a história. Cinco anos atrás, não seria uma surpresa. Em 2017, merece um lugar na lista.

Menções honrosas - Humberto Badenay-Martin Bravo, Randa Markos-Carla Esparza, John Moraga-Magomed Bibulatov, Anthony Smith-Andrew Sanchez, Ketlen Vieira-Sara McMann.

Assine o Combate | Siga o canal do UFC no YouTube